O QUE VOCÊ NÃO DEVE COLOCAR NO SEU CURRÍCULO E POR QUÊ.

foto

Muitas pessoas me procuram para avaliar ou refazer seus currículos e conversando com coaches, recrutadores, headhunters e outros profissionais de RH, cheguei a uma conclusão: não existe apenas uma forma de fazer seu currículo e agradar a todos…. Tem gente que acha horrível ter foto, outros acham que ajuda a lembrar da pessoa (igual empresas que tem fotos no cartão de visita). Uns gostam de layout mais trabalhado, considerando que ajuda na diferenciação, outros são defensores dos currículos tradicionais. Fato é que não existe consenso de todos os itens, mas há sim um bom senso necessário para algumas coisas.

É como a “controversa” orientação de ir à uma entrevista de terno e gravata/tailleur ou “mais normal”. A resposta certa é: depende. Então vamos aos pontos!

CURRICULUM VITAE – Do latim, é a sua “trajetória de vida”, que apelidamos de CV mesmo. Atualmente não é preciso colocar esta descrição como título do documento (antigamente se usava em itálico, bold, fonte 20…) – neste ponto consenso, não coloque CURRICULUM VITAE, CURRICULUM, CURRÍCULO, MEU CV ou qualquer outro título no início do documento. O destaque deve estar no seu nome e seu ojetivo.

LAYOUT – Aqui é como seus dados estão diagramados na página. Há design de currículo mais formal, elegante e outros mais visuais e gráficos. O que eu digo aqui é que você precisa “bancar” seu currículo, ou seja, ele tem que traduzir quem você é (afinal, na primeira peneira, você não está junto com seu currículo, ele tem que “falar” por você). Então se você é de uma área gráfica, trabalha com profissões mais criativas no sentido artístico, vale investir na apresentação diferenciada sim. Para você que vai enfrentar seleções em carreiras ditas mais tradicionais (advogados, controllers, etc.), dá para deixar o currículo moderno e elegante, com toques de cor (se for o caso), sem ficar espalhafatoso. Há inúmeros modelos na internet para você se inspirar (Google e Pinterest são algumas boas fontes) e, principalmente, se “encontrar”. Você precisa bater o olho no CV e, mesmo sem ler o conteúdo, dizer “eu gostaria de ter um CV assim”.

CONHECIMENTOS APRESENTADOS DE FORMA GRÁFICA – Ainda no tema layout, há um cuidado a ser tomado quando apresentamos os skills (conhecimentos) de forma gráfica, pois nossa mente (e a dos recrutadores também…) por vezes nos leva a avaliações incorretas. É o efeito da palavra GRÁTIS ao comparado com o preço R$ 0 (zero). A irracionalidade da nossa cabeça dá mais valor ao Grátis, principalmente se assim for anunciado (advinha porque os publicitários usam e abusam disto…). Então, no seu currículo, se optar por apresentar um conhecimento em barra preenchida (imagine colocar “conhecimentos de Excel” e dos 4 quadradinhos que colocou no seu CV, preencher 2), lembre-se que a informação gráfica 2 de 4 não é igual a palavra “intermediário”. Muitas pessoas consideram 2 de 4 um “assim/assim”, “mais ou menos, mais para menos que para mais”. Por outro lado, quando leem a informação “intermediário para Excel”, já deduzem que é “mais para mais” (sabe preencher as planilhas, usar fórmulas, agrupar, congelar painéis, colar especial, proteger planilhas, etc…). Então, atenção neste ponto.

DATA DE NASCIMENTO, ESTADO CIVIL E FILHOS– Aqui também há mais consenso. Não para data de nascimento, coloque apenas idade. Estado civil, apenas os reconhecidos como tal: casado, solteiro, viúvo, separado, divorciado. No caso da união estável, você pode ou não mencionar, (na entrevista sim, pois se contratado, isto pode afetar benefícios como plano de saúde, etc.). E por mais absurdo que pareça, preciso registrar: namorando não é estado civil, o CV não é seu perfil de rede social… Se tiver filhos, também mencione. Eu sou da opinião de que se a empresa vai questionar seu comprometimento por você ter 2 filhos pequenos, ela definitivamente não é a empresa ideal para você. Então é melhor poupar o tempo dela e o seu e seguir para outra.

 

DADOS PESSOAIS E REFERÊNCIAS – Consenso, não coloque. CPF, RG, nome dos pais entre outros, são dados que serão pedidos no tempo certo, quando você avançar no processo seletivo (não é novidade que vão puxar toda sua ficha disponível, financeira, criminal, etc.). Referências de empregos anteriores também serão pedidas depois (isto se forem; muitos RHs já fazem os contatos pelas próprias informações do CV). Se for solicitado, por favor, não esqueça de avisar as pessoas e pedir permissão para apresenta-las como referências!

 

EMAIL E MINHAS REDES – Ponto de atenção. Você não deve se apresentar com e-mails que não tenham conotação pessoal (literalmente têm que ser seu nome, ou qualquer acrônimo dele!). Não vá colocar morenaodarua@… ou gatinhamanhosa@… Ainda que seja seu email desde sempre. Nome.sobrenome@ ou qualquer coisa nesta linha é melhor. Evite usar datas também (nome1988@…, por exemplo). E como dá para criar rapidinho email hoje em dia, sem desculpas. Agora outra atenção, a foto que aparecerá em seu e-mail (se for vinculada a alguma rede social)… sugiro desvincular uma coisa da outra. Nas redes sociais pessoais é mais aceitável que você tenha uma foto descolada, fazendo pose, usando óculos escuros, etc. (linked in não é rede pessoal, é rede profissional, não esqueça). Agora imagine o recrutador recebendo seu e-mail de resposta e identificando a foto do seu perfil como sua mais nova tatoo (em close) no peito.

Nas suas redes sociais, apesar de serem pessoais, minha recomendação é pensar em como elas afetam a sua imagem e se isto é um problema para você. Se você não liga a mínima, posta o que der na teia (afinal é sua rede de amigos), então encontre empresas que não liguem para isto também. Existe hoje uma ânsia das empresas de fazerem seus funcionários serem os porta-vozes dela também em suas redes pessoais, aí fica aquela mistureba de coisas e em alguns momentos de “ame ou odeie”, isto pode se virar contra você. Muita atenção no uso das redes… lembre-se que as empresas passam, mas sua história (e tudo que vc postou) ficam…

 

FOTO – Polêmica. Têm os que gostam, os neutros e os que acham exibicionismo. Acho que aqui vale o bom senso e a sua própria atitude. Se questionado sobre o porquê da foto, vai ficar confortável e ter segurança para responder? Então põe. Não e vai dizer que foi alguém que fez o CV para você? Melhor usar um modelo sem foto.

Ponto de atenção: se for usar, que seja uma com ar profissional, que transmita o que você é. Sem carão e biquinho, ou charme e atitude demais – sem sinais com as mãos, please!

 

HOBBIES – Não é necessário. Isto poderá ser explorado pelo recrutador em entrevista. Voluntariado e outras ações semelhantes entram na mesma orientação, salvo se forem completamente relevantes e complementares para a vaga a qual está se candidatando. Se estiver num processo seletivo de uma ONG que protege os animais, certamente todas as ações que já tiver realizado relacionadas a isto agregarão informações ao seu CV. Vale como experiências ou vivências anteriores.

 

VIAGENS INTERNACIONAIS – Se for só passeio, como turismo, não coloque. Se for a trabalho, participação em seminários ou cursos (de língua ou não), pode adicionar, desde que agregue ao seu currículo alguma informação relevante. No caso de curso de línguas no exterior, pode adicionar diretamente no campo IDIOMAS, não esquecendo do nível de proficiência.

 

EXPERIÊNCIAS ANTERIORES – Com o passar do tempo, é natural passarmos por várias empresas, mas não é relevante falar de todas elas sempre. Mencione as suas últimas 3 empresas em detalhe (da mais recente para a mais antiga), e nas demais pode colocar algo como “De 2000 a 2011, trabalhei nas empresas X, P, T, O, nas funções de Gerente De Marketing, Coordenador de Produção e Assistente de propaganda, respectivamente”. Isto será o suficiente para que saibam que há mais experiências profissionais que poderão ser exploradas – ou não, numa entrevista.

 

PRETENSÃO SALARIAL E PACOTE DE BENEFÍCIOS – Não no currículo. Exceção: caso esteja respondendo um anúncio que demande tal informação. Muitas vezes, quando a resposta é online, o campo pretensão salarial num formulário é obrigatório, mas geralmente há a opção “a negociar”.

 

NOTAS DA FACULDADE OU OUTROS CURSOS – Não. Ainda que sejam as melhores do mundo… E caso não tenha faculdade, não minta sobre isto (e de fato, sobre nenhuma outra informação) em seu CV.

 

CARTA DE APRESENTAÇÃO – Não é necessário. Algumas vagas ainda pedem, mas estão cada vez mais raras. Muitos currículos apresentam um pequeno parágrafo com uma micro descrição de seu perfil profissional (quase o seu “pitch”), sem chavões como “profissional mão-na-massa, pronto para o que der e vier”, etc. Fica a seu critério utilizar o não este parágrafo, é o mesmo argumento da FOTO.

 

ASSINATURA – Não. CV não precisa ser assinado, mas é esperado que tudo que você tenha apresentado sobre você seja verdade!

 

OBJETIVO – depois do nome é o item mais importante. É ele que determina o modelo mental de construção de perfil que o leitor-alvo vai fazer de você. Se ele lê “Diretor de Produto” ele já determina em sua mente o que espera encontrar neste CV e será diferente de quando ler “Assistente Financeiro”. Também não coloque cargos diversos de áreas diferentes, cada CV deve ser feito para um determinado perfil, enfatizando conhecimentos e experiências naquela área. O objetivo é o cargo desejado e não frases generalistas como “Trabalhar nesta grande empresa”, “colaborar com o crescimento da instituição”, “fazer parte da família <nome da empresa>”…

Ufa… depois de tudo isto, você é finalmente chamado para a entrevista! Bote seu terno/tailleur – ou não, e boa sorte 😉

Abs, e não deixe de aproveitar a vida!

 

Sobre a autora:

Glaucia Miyazaki – parceira RH|PM

Sou executiva e Coach com mais de 17 anos de experiência profissional no chamado “Mundo Corporativo”, atuando em cargos de liderança e diretoria das áreas de Marketing, Vendas e TI de diversas empresas mercado. Publicitária formada pela ESPM/SP, Pós-graduada em Administração e com MBA em Gestão Empresarial pela FGV/SP. Vivenciei de tudo: de pequenas familiares a gigantes varejistas, de Entretenimento a Telecom, de Start-ups a falimentares, de serviços e de produtos, de organizadas as sem muitas regras…Tenho uma abordagem mais holística sobre a gestão e seu papel e sou conhecida pela forma franca e direta de me expressar. “Quando me pedem um feed-back, já vou logo perguntando: Com ou sem açúcar?”.

Além disto sou mãe (dois lindos meninos), mulher, esposa, estou trabalhando em um livro sobre Gestão e adoro cozinhar.

Crédito de Imagem: pixabay.com


0.00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *